quinta-feira, abril 16, 2009

ESPELHO, ESPELHO MEU, SERIA ESSE REFLEXO O MEU ? OU...TOCADAS E RETOCADAS

Autora: Fernanda Timerman
Se você não gosta da sua aparência provavelmente já pensou em tudo o que podia fazer para mudá-la. Já deve ter passado pela sua cabeça obter uma das milagrosas dietas semanais que saem numa das 500 revistas femininas “já nas bancas”. Já deve ter sido seduzida por um dos milagrosos 600 diferentes aparelhos de ginásticas à venda nos canais “shop time”, ou já deve ter se informado sobre uma lipoaspiracãozinha para tirar aquela gordurinha extra. Todo esse nosso esforço para atingir a perfeição vem de onde?

Vamos parar um minuto para pensar....

A gente não se dá conta de como somos sujeitos a milhares de informações diretas e indiretas sobre como deveríamos estar em busca de aperfeiçoamento constantemente, ou seja, de que é errado nos sentirmos bem exatamente do jeito que somos. Existem pesquisas sérias que apontam que mais de 90% das mulheres do mundo inteiro mudariam alguma coisa na aparência, ou seja, estamos fadados ao desgosto, mas por quê?

A indústria da beleza movimenta milhões. Disso não há como ter duvida. Se existe tanta propaganda em torno disso é porque estamos vivendo num sistema que se retro alimenta, com a indústria investindo muito em propagandas e anúncios e com um ótimo retorno dos consumidores sedentos pela última novidade em termos de tecnologia, dieta, aparelho de ginástica, cremes redutores, cirurgia estética, remédios de emagrecimento, suplementos alimentares milagrosos ou qualquer outro tipo de produto que prometa a felicidade através da transformação da sua aparência. Aparentemente aparência virou sinônimo de moeda de troca, só é feliz quem é bonito.

Vamos pensar um pouco mais....

Podemos enumerar diversos motivos, mas tem um que exemplifica bem esse ciclo de busca incessante pela perfeição e pelo impossível: nos baseamos em imagens alteradas por Photoshop e no final das contas, nós somos feitos de carne, osso, músculo e gordura. Esse vídeo (em inglês) mostra um pouco mais sobre isso.

Vejamos:
http://www.youtube.com/watch?v=YP31r70_QNM
Em resumo:

- Segundo o editor de Photoshop, “99%” das fotos são alteradas antes de irem para as revistas. As celebridades até contratam editores particulares para cuidarem da imagem delas;
- As revistas “pré-supõem” que os leitores sabem que as imagens são alteradas, mas, será que eles absorvem ou só o que fica é o desejo de parecer com aquela imagem irreal?
- Chegamos num ponto de tentar alcançar o impossível que está quase fora do controle, gerando diversos problemas psicológicos e físicos, fazendo autoridades pensarem em banir inclusive o uso desse recurso.

*Exemplo:
http://www.news.com.au/dailytelegraph/story/0,22049,24447422-5006010,00.html

A Ministra da Juventude da Austrália (Kate Ellis) está criando o “Victorian”, um código de conduta nacional (que será complementado por campanhas de promoção da imagem corporal positiva) para tentar combater o uso de modelos muito magras ou mesmo o uso de Photoshop. Espera-se com isso uma diminuição no índice de transtornos alimentares e insatisfação corporal.

Pense nisso, não perca seu precioso tempo tentando ser uma imagem de computador!

4 comentários:

Papu Morgado disse...

Mais um post esclarecedor e que nos faz refletir se vale mesmo a pena odiar quem somos e querer ser algo intangível. Obrogada!

Ana disse...

ADOREI seu blog, eu cheguei nele por meio da Papu Morgado, adorei mesmo, posso linkar vc? Visite-me em http://mundogege.blogspot.com

Claudia disse...

Exelente post!

disse...

Obrigada meninas, sempre bom receber feedback.
Voltem sempre!